quarta-feira, 21 de abril de 2010

UM ÔNIBUS ERRADO

Foto tirada do celular dentro do ônibus, no início do deslumbre, nem tão tarde ainda era...

Sexta-feira passada, fui ao Recife.
Chegando no TIP não tinha a conexão que sempre me leva ao Centro da cidade. Daí resolvi pegar um ônibus para descer na BR 232 e então pegar um que fosse mais rápido para o meu destino.
Peguei o Curado II/Caxangá - VIA TIP. Foi aí que começou toda uma odisséia urbana, kkkk...
Esse ônibus andou todos os curados possíveis e imagináveis.
Porém foi aí que se transformou numa tarde lindaaaaaaaaaaaaaaaaa...
Vi meu Recife como nunca tinha visto antes. Nu e cru. Um Recife, colorido, apertado, movimentado.
Alto, nossa como era alta aquela viagem que fiz naquela tarde gente!
As pessoas num passadio pra lá e pra cá. Muitos salões de beleza, aos montes e nos montes mais altos...Ali há muita beleza sim. Pude ver o prédio da Justiça federal todo imponente, pude ver o antigo, mais ainda encantador Geraldão, pude ver um céu azul, misturado com lilás e rosa, anunciando o crepúsculo que viria pós por do sol e pré noite morna da capital do frevo.
Que cores lindas, como se formam essas cores?
Tudo isso era contrastado com o verde azulado que o mar adquire exatamente as 17h32, hora que em que acho...Haviam se esgotadas todas as subidas, mais que isso seria o próprio céu, assim pensei eu ali, naquele deslumbre de lugar.
Ah! e as casas? Ali antes eram apartamentos, conjuntos de apartamentos, como antes falávamos... hoje se daria o nome de condomínio popular. Mas não!!!! Hoje àquelas casinhas em que se transformaram, dou o nome de poesia pura....colcha de retalhos, rimas de versos ou quem sabe pinturas em telas de artistas.
Fiquei tão encantada com o que vi, que toda minha irritação da viagem, do atraso, e da demora de chegar ao meu destino, se transformou em uma outra quimera, quimera de que a viagem pudesse ser estendida e pudesse me mostrar o que mais tinha de belo naqueles bairros suburbanos, de onde a gente só ouve histórias de violência e trágicas tramas.
O sol que ora ia embora, nas misturas de cores com o crepúsculo que queria invadir minha nova tarde linda, me lembrou que são esses instantes que ficarão na minha mente, que esses instantes precisavam ser descritos aqui, e divididos com todos que me seguem.
Gente! Eu subi o morro e voltei encantada...
Tudo isso porque peguei o ÔNIBUS ERRADO.

O que eu vivi, por si só, já é maravilhoso...
O Senhor fez em mim, Maravilhas.... Santo é o seu nome... Poxa! agora lembrei que nunca mais tinha cantado esta canção... Ah mais isso é mote pra outro post.

Simoninha Xavier

2 comentários:

  1. Si, isso se deve aos seus olhos de poeta. Conserve-os!

    Queria ter te visto.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  2. Si, a saudade de vc é enorme!
    beijos

    ResponderExcluir